Ibope aponta que o plano de saúde é decisivo na escolha do emprego
14 de agosto de 2017
Empresas de seguro saúde nos EUA bonificam quem adota vida ativa
28 de agosto de 2017
Exibir tudo

Seguro de pessoas deve crescer no segundo semestre

Com base em alguns sinais favoráveis da economia, como os índices de confiança, a taxa de inflação e os juros, o segmento tem mostrado o seguro de pessoas como o caminho para a retomada do crescimento do setor em 2017. Segundo dados apresentados na Carta de Conjuntura do Sindicato dos Corretores no Estado de São Paulo (Sincor-SP), do mês de julho, o ramo teve variação de 11% na comparação de faturamento entre os anos 2016 e 2017.

De acordo com a publicação, o ramo acumulou R$ 15 bilhões de faturamento frente a R$ 16,6 bilhões, até junho deste ano. Já na separação por ramos, os elementares – onde estão incluídos os seguros de auto, residencial e empresarial – também apresentaram alta, mas foram fortemente influenciados pela queda do seguro DPVAT.

Em 2016, o faturamento do setor foi de R$ 32,7 bilhões frente a 33,5 bilhões em 2017, registrando 3% de variação. Quando extraído o seguro DPVAT, a variação percentual do ramo sobe para 6%. Se somadas, as receitas de pessoas e ramos elementares o faturamento alcança 7% de variação.

“O seguro de pessoas provavelmente será um dos grandes caminhos para a retomada do crescimento do setor em 2017. Os bons números devem crescer consideravelmente, em breve, com as oportunidades e divulgação dos seguros de vida e o interesse da população em se garantir com a previdência privada”, destaca o presidente da entidade, Alexandre Camillo.

Já nos produtos do tipo VGBL, um gênero com características mais financeiras, de acumulação, a evolução continua favorável quando avaliado o comportamento dos últimos anos, estabelecendo 5% de variação, com R$ 53,2 bilhões em 2016, e R$ 56 bilhões em 2017.

O segmento de capitalização segue a toada que acompanha o setor há dois anos, seguindo o fenômeno de outros ativos populares da economia como a caderneta de poupança. A receita de capitalização em 2017 (até maio) atingiu R$ 9,8 bilhões de faturamento ficando – 5% na referência com 2016 quando o faturamento foi de R$ 10,2 bilhões.

Por outro lado, nos últimos anos, o mercado de resseguro teve um comportamento bem mais favorável, com taxas positivas, superando inclusive a inflação, quando se faz uma análise de valores acumulados. Foram R$ 100,9 bilhões em 2016 e R$ 106,1 bi, em 2017, variando 5%.

Fonte: Revista Apólice

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *